PARTO NATURAL & PARTO NORMAL

 

As palavras podem ter tanta força quanto os conceitos que à volta delas são criados!

Adjetivar o parto como “normal” cria a ideia de que há partos que não são normais. Existem, claramente, diferentes formas de se dar à luz e temos partos sujeitos a uma série de intervenções médicas, que a grande maioria das vezes são puramente rotineiras, que lhe retiram, sim, a “naturalidade” e que têm consequências francamente desvantajosas para a mulher e o recém-nascido.

De facto o parto deixou de ser visto como um processo natural na vida das mulheres e tornou-se mesmo um procedimento médico de alta complexidade como se as mulheres não fossem capazes de dar à luz sem a ajuda da moderna tecnologia. Sou 100% a favor dela quando é necessária e diria 100% contra quando é aplicada por mera rotina e desinformação.

Como em tudo na vida, também no que diz respeito ao nascimento, qualquer ideia pré-concebida ou atitude fechada, não me faz sentido algum.

Acredito, respeito e defendo que deve ser respeitado que para algumas mulheres, alguns procedimentos técnicos como a utilização de analgesia seja imprescindível, pois como em qualquer outra situação, também a tolerância à dor é individual – embora acredite que possa ser trabalhada – mas o número de mulheres que se inclui neste grupo, será talvez semelhante ao número de mulheres que não tem leite (bom) para amamentar.

Considero que existe uma construção social que é sobrevalorizada em relação à realidade biológica.

O que consideramos incapacidade para suportar a dor do parto acredito que pode ser suplantado se a mulher tiver as condições necessárias ao desenvolvimento de um parto harmonioso e que passa essencialmente por acreditar e saber que está apta a fazê-lo, desde que envolta num contexto de segurança, tranquilidade e poder ter presente as pessoas da sua confiança – não é por mero acaso que os animais escolhem lugares seguros para terem as suas crias!

 

Existem determinadas reacções orgânicas favoráveis ao desenvolvimento de um trabalho de parto, que quando permitimos que ocorram, diminuem a dor de parto e que necessitam de determinadas condições ambientais como afecto, suporte físico e emocional, atenção continuada da parte de alguém da confiança da parturiente, luz baixa, temperatura amena e o uso restrito da palavra… Também será importante referir que um parto induzido é muito mais doloroso que um parto “espontâneo”. O espontâneo tem as hormonas a trabalhar a vosso favor porque funcionam como um analgésico, para além de ter os benefícios de um processo gradual em vez de repentino.

As mulheres sempre souberam dar à luz e os bebés sempre souberam como nascer!

Um parto natural e humanizado respeita as necessidades básicas, a integridade, e acima de tudo as escolhas da mulher (!) – consequentemente não está sujeito a intervenções desnecessárias, é tendencialmente fisiológico (na sua essência) porque inicia quando o bebé está pronto para nascer; as contracções ocorrem ao ritmo de cada díade mulher/bebé e a mulher instintivamente movimenta-se e encontra as posições mais adequadas para si, que naturalmente facilitam o processo e que são posições tendencialmente verticais (de cócoras, de pé ou num banco ou cadeira desenhados para o efeito), de quatro ou na água  – bendita água!

Quando o bebé nasce vai direitinho para o colo da mãe porque o contacto pele com pele é essencial para o bem estar de ambos; o corte do cordão umbilical só é realizado depois de este parar de pulsar (e este tempo é precioso para a sua imunidade futura) e em pouco tempo o bebé vai começar a mamar!…Nice & Easy!

Diria que a arte de bem parir é não complicar o que a natureza faz com tanta sabedoria e manter-se informado para fazer as suas escolhas conscientes e não as da vizinha, da prima, do obstetra X ou Y e/ou que sejam baseadas em medos ou preconceitos.

“Que as escolhas das mulheres reflitam a sua consciência e empoderamento, e não o medo ou qualquer forma de pressão, culpabilização ou desinformação” (APDMGP)

A Organização Mundial de Saúde tem uma Lista de Recomendações no Atendimento ao Parto  que é baseada em evidência cientifica e no mesmo documento são igualmente descritas  as Condutas Claramente Prejudiciais ou Ineficazes e que deveriam ser Eliminadas, bem como uma listagem de Condutas Frequentemente Utilizadas de Forma Inapropriada

Se este é um tema do seu interesse, informe-se e faça a sua escolha, consciente!

Até Breve!

Susana Pereira

LEAVE A REPLY

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *